Translate

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Vasos Zappi

Vamos imaginar que uma pessoa, passeando por uma feira de antiguidades, encontre esse par de vasos sendo vendidos.
Dois vasos em pó de pedra. Cada um com, aproximadamente, 14,0 cm de altura e diâmetro máximo de 10,0 cm.
Decoração floral, pintado à mão, em azul com contornos dourados.



As flores contornam as peças.
O vendedor  diz que são vasos italianos da marca Zappi. Antigos, bem antigos, provavelmente década de 1920.
E claro que, sendo vasos italianos, o preço é bem camarada, R$ 200,00 o par.

A pessoa pensa, são italianos, antigos, preço bom, e compra feliz da vida!
Quando chega em casa, vai procurar na internet mais informações sobre a Zappi, e acaba descobrindo que os vasos são brasileiros, da Indústria de Louças Zappi S.A. e que devem ter uma datação entre as décadas de 1940 e 1950 e que poderia ter pago bem menos pelos vasos. (apesar que a marca Zappi é uma das marcas mais caras de louças brasileiras)

...
Parece brincadeira? Mas não é.
Já comentei aqui sobre o cuidado que devemos ter com certos vendedores e, principalmente, desconfiar quando dizem que alguma peça é Inglesa, Italiana, Polonesa...
E uma coisa vou falar para vocês, isso realmente acontece. Weiss  e DP sendo vendidas como alemãs, Zappi como italiana e por aí vai.

Repare que a peça não possui a identificação de origem.

Pois bem, vou falar um pouco sobre essa identificação.

Em 1890, o então presidente dos Estados Unidos, William McKinley, determinou através de um ato que todos os produtos que entrassem nos Estados Unidos deveriam estar identificados com o nome do país de origem.
Isso geraria uma tarifa de importação sobre esses produtos deixando-os mais caros que os produtos feitos pelos americanos, ou seja, os produtos americanos seriam mais fáceis de serem comercializados.

Hoje em dia essa identificação facilita a vida de colecionadores, por exemplo, de louça inglesa, que era muito exportada para a América.

Se você comprar um prato, e disserem para você que é um prato inglês de 1920, e esse prato não tiver o nome "England" gravado nele, pode cair fora, o prato não é inglês!

Em 1921 esse ato foi alterado dizendo que o nome do país de origem de produtos de importação dos EUA deveriam estar precedidos das palavras "Made in".

Vale dizer que algumas indústrias já usavam o "Made in" antes mesmo dessa lei.

E no Brasil? Bem no Brasil muitas indústrias produziam sem a intenção de exportação. Por isso encontramos esse par de vasos Zappi, sem identificação de origem, produzidos entre as décadas de 1940 e 1950

Como eu digo, caso tenha dúvidas sobre uma peça, sua origem, sua datação, pergunte para alguém com mais experiência e, não compre por impulso.

Muito bem, e para terminar (acho que me empolguei um pouco demais), aqui em Curitiba temos as feiras de rua. São feiras pequenas, algumas com no máximo 10 barracas vendendo frutas, verduras, embutidos...

E essas feiras possuem uma característica que eu sempre gostei e que me faz acordar cedo em um domingo para fazer compras na feira.

Grande parte dos vendedores moram em propriedades rurais, e acabam produzindo muitas das coisas que eles  acabam vendendo.
Frutas variadas, feijão amendoim, alfaces de diversos tipos, conservas, etc.

Agora, o que é bem curitibano, é que quando chega a primavera eles começam a produzir e vender flores.

Vários tipos de flores!

Dálias

Bocas de leão de todas as cores.

Palmas, copos de leites, margaridas...
Depois de um inverno onde normalmente temos as geadas que acabam queimando as plantas, deixando tudo em tom de marrom, é o momento que sabemos que tudo será renovado... é uma sensação muito boa.

Fica fácil decorar a casa com vários tipos de flores gastando pouco. Os buquês custam de R$ 2,00 a R$ 6,00.

E eis meu São Francisco, com suas margaridas nos vasos Zappi.

Um comentário:

  1. Sinceramente Cláudio, as vezes o negócio é ser astuto.
    Se perceberem que tu gosta de antiguidades, vão usar todas as artimanhas possíveis para que o produto oferecido para ter mais valor do que realmente tem.
    Já passei por situações assim, em que eu falava que gostava de antiguidades, e a partir disso, tudo na loja envelheceu em questão de segundos... Hehehehehe
    Uma opção boa é pesquisar antes né, assim evitamos algum engano.
    Enfim, achei interessante o que falou sobre a porcelana inglesa, pois já tinha observado esse detalhe, e somente nela, o país de origem.
    Boa aula essa !
    Enfim, obrigado pela resposta.
    Um abraço
    Cauê

    ResponderExcluir